top of page

Uma Nova Era Para a Medicina Corpo-Mente

Há cinquenta anos, a meditação era algo marginal, e a ideia de que tivesse um papel no tratamento médico, absurda. No entanto, publicava-se já investigação demonstrando que a meditação e práticas semelhantes reduziam o consumo de oxigénio, baixavam a pressão arterial e a frequência cardíaca e iniciavam uma cascata de efeitos fisiológicos que eram o oposto do que ocorre durante a resposta ao stress.

Este conjunto coordenado de mudanças fisiológicas foi denominado “resposta de relaxamento”, e um procedimento geral e secular foi descrito para evocá-lo. Coincidentemente, este trabalho ocorreu no mesmo laboratório ocupado por Walter Cannon 50 anos antes, quando ele descreveu a resposta ao stress como “resposta de lutar ou fugir”.





Hoje, muitas pessoas são atraídas por estas práticas, pelos benefícios percebidos para a saúde física e mental, incluindo pelo alívio do stress. Todas as tradições e culturas religiosas têm alguma forma de meditação ou outra prática corpo-mente, mas a atual explosão de interesse nestas práticas ocorreu em grande parte num contexto secular.


Simultaneamente a este crescente interesse público, surgem resultados que descrevem as alterações neurobiológicas, fisiológicas e genómicas associadas às práticas corpo-mente, particularmente a meditação, incluindo a ativação de regiões específicas do cérebro, aumento da variabilidade da frequência cardíaca, supressão de vias inflamatórias induzidas pelo stress e aumento da frequência cardíaca. Mais pesquisa é necessária para compreender as implicações destas descobertas.


A crença nestas modalidades não é necessária para obter benefícios. Na verdade, ensaios clínicos randomizados sugeriram melhores resultados de saúde e qualidade de vida em múltiplas condições de saúde física e mental que estão relacionadas ou são exacerbadas pelo stress, incluindo dor crónica, ansiedade, depressão, fadiga relacionada ao cancro, dependência de tabaco, doença inflamatória intestinal, e doenças cardiovasculares, embora estas ferramentas possam não ser úteis no contexto do transtorno por uso de substâncias. Além disso, os resultados preliminares sugerem que a integração destas ferramentas no sistema de saúde pode reduzir a utilização dos cuidados de saúde e ser rentável.




No entanto, nem todos estão preparados para adotar estas ferramentas: alguns pacientes podem ter preocupações sobre certas práticas que contrariam as suas crenças religiosas; outros não estão preparados para realizar o esforço necessário para manter uma prática regular; outros ainda foram condicionados a tomar apenas comprimidos para cada doença. Além disso, alguns pacientes podem não ser apropriados para estas ferramentas. Por exemplo, os pacientes com doenças mentais graves podem ter dificuldade em aprender estas competências ou correr o risco de perder o contacto com a realidade quando se envolvem em algumas destas práticas.


Apesar destas barreiras, muitos pacientes desejam aprender mais. Acreditamos que uma medicina corpo-mente deve ser reconhecida pelo potencial na prevenção primária e secundária e incorporada nos cuidados primários de saúde.

Contacte-nos para saber mais e experimentar uma aula de meditação Zen, Tai Chi ou Qi Gong.





Saiba mais no nosso Instagram @dojo_estilodevida


Adaptado de Dossett, M. L., Fricchione, G. L., & Benson, H. (2020). A New Era for mind–body medicine. New England Journal of Medicine, 382(15), 1390–1391.

42 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Commentaires


bottom of page